Pular para o conteúdo

O setor de saúde no mercado de M&A em 2023

22 de maio de 2023
Publicado por 3Capital Partners

A perspectiva de crescimento que acompanha o mercado de M&A em 2023 também vem trazendo reflexos positivos no área da saúde, impulsionada pelo grande número de transações que ocorreram nos últimos anos.

 

Somente em 2021, de acordo com um levantamento do Jornal Valor Econômico, as operações de fusões e aquisições deste setor injetaram cerca de R$15 bilhões na economia, a partir de negociações envolvendo grandes grupos. Mas o que podemos esperar para este ano? Acompanhe a leitura e saiba mais.

 

O boom dos últimos anos.

 

A crise trazida pela pandemia se converteu em uma série de oportunidades de operações de M&A para o setor de saúde, que experimentou um crescimento no número de transações. Diversas publicações da época destacaram esse aumento e colocaram este mercado como líder no ranking de fusões e aquisições entre 2021 e 2022. 

 

Falando em números, das quase 2 mil fusões e aquisições ocorridas em 2021, 114 foram entre hospitais, laboratórios ou outras empresas do ramo, segundo dados colhidos pelo site Fusões&Aquisições, representando 6% no gráfico daquele ano.

 

Apesar de menos intenso em termos estatísticos com 35 transações a menos e cerca de 4,3% do número de operações , o ano seguinte também foi marcado por importantes negociações no mercado de saúde, que colocaram lado a lado companhias de grande porte, como Rede D’or e Sulamérica, além de Fleury e Pardini. 

 

Ao fim de 2022, todas as expectativas relacionadas a 2023 eram das mais animadoras, sobretudo na área de medicina diagnóstica, movidas pelo desejo das empresas de expandir suas atuações geograficamente, segundo a empresa global de consultoria Kroll declarou ao Valor Econômico em reportagem da época.

 

O momento é de consolidar.

O mercado de saúde continua fértil em termos de fusões e aquisições, porém, o direcionamento esperado para este ano não é de um recorde de transações, mas da consolidação das negociações que ocorreram em larga escala, especialmente de 2021 para cá.

 

O que isso quer dizer? Que as empresas devem se manter atentas às oportunidades que surgirem, mas terão um foco maior no pós-aquisição e no processo de integração entre companhias que passaram por uma operação de M&A.

 

Para muitas delas, o apetite por novas transações deve ser revertido na busca por sinergias, com o intuito de fazer valer todo o montante investido nos últimos anos e formatar novos caminhos empresariais após a unificação entre as organizações de saúde em questão.

 

O site Info Money trouxe alguns exemplos que ajudam a ilustrar esse panorama, como é o caso da Viveo. A empresa de distribuição de medicamentos reduziu seu número de aquisições de 19 para 12 e agora objetiva colocar na ponta do lápis a solidificação de todos esses investimentos que foram feitos.

 

Apesar da tendência de arrefecimento na quantidade de operações, isso passa longe de significar uma retração mercadológica ou um encolhimento do setor. A área de saúde continua promissora, porém, podemos esperar negociações mais estratégicas e pontuais. 

 

Recentemente, por exemplo, o grupo Fleury sentiu a necessidade de ampliar seus serviços e, para isso, adquiriu a totalidade das cotas da Retina Clinic por mais de 20 milhões de reais. 

Quantas operações de M&A já ocorreram no setor de saúde este ano?

 

As fusões e aquisições continuam acontecendo em todas as áreas e com as empresas de saúde não é diferente. Mesmo num ritmo mais moderado e cauteloso, as negociações ocorridas até aqui mostram que ainda há espaço para crescimento e que, até o fim do ano, há a perspectiva de novas transações importantes para este mercado.

 

Em janeiro, segundo o site Fusões&Aquisições, houveram cinco operações entre hospitais e laboratórios, ocupando o quinto lugar do ranking. Em fevereiro, esse número cresceu para oito e o setor subiu duas posições. Já em março, foram sete transações e uma colocação a menos na relação.

 

Entre os negócios que se consolidaram até aqui, podemos destacar a compra da Promédica pela Danone com o intuito de fortalecer seu departamento de nutrição e a aquisição de quase 30% da Sorridents pelo Fundo Crescera.

 

O setor da saúde continua com grandes possibilidades de negócios e as oportunidades de expansão a partir das fusões e aquisições estão sempre surgindo mas, para ajudá-lo a mapeá-las, a decisão mais acertada é buscar por uma empresa de Advisory, para uma assessoria especializada.



Veja outras notícias