Pular para o conteúdo

Por dentro do ESG: o impacto na conscientização sobre as mudanças climáticas

1 de fevereiro de 2024
Publicado por 3Capital Partners

A conscientização sobre as mudanças climáticas

Tornou-se um ponto crucial na atuação do ESG dentro das empresas, para evitar mudanças ainda mais drásticas do que as que já acontecem e que impactam os negócios e sociedade de maneira irreversível. Esse tema surge como um norteador de ações mais conscientes por parte do mercado corporativo.

A conselheira de estratégia e negócios da 3Capital, Ana Paula Candeloro, é especialista em ESG e nos trouxe sua perspectiva sobre o tema, em um artigo exclusivo. Confira!

A importância e os desafios das práticas de ESG atualmente

No cenário global atual, a conscientização sobre as mudanças climáticas atingiu níveis sem precedentes. A necessidade urgente de endereçar essas questões ambientais levou ao surgimento de uma abordagem holística conhecida como ESG (Ambiental, Social e Governança).

Gosto de dizer que ESG é um framework (estratégia de solução) de comportamento empresarial e um balizador para a criação de novos produtos e serviços. São novos parâmetros que passam a integrar o processo decisório, transversalmente. Acredito fortemente que esses princípios devem estar no core business (atividade principal) das empresas.

Dito isso, as organizações estão, sim, reconhecendo cada vez mais a importância de incorporar considerações ambientais em suas operações. No escopo do ESG, a dimensão ambiental concentra-se em questões como:

  • Emissão de carbono;
  • Gestão de resíduos;
  • Eficiência energética;
  • Conservação de recursos naturais.

Muitas companhias estão adotando metas específicas de redução de emissões, investindo em tecnologias sustentáveis e revisando suas cadeias de suprimentos para minimizar o impacto ambiental.

Além disso, iniciativas de responsabilidade social corporativa (RSC) relacionadas ao meio ambiente tornaram-se parte integrante das estratégias de ESG. Empresas estão buscando parcerias com organizações ambientais, participando de projetos de reflorestamento e implementando práticas sustentáveis em suas operações diárias.

Embora a conscientização esteja crescendo, os desafios na incorporação efetiva das mudanças climáticas nas estratégias ESG ainda persistem. Um dos obstáculos fundamentais é a falta de padrões uniformes para relatórios. A diversidade nas métricas utilizadas pelas organizações dificulta a comparação e a avaliação transparente de suas iniciativas ambientais.

Outro desafio significativo é o custo associado à transição para práticas mais sustentáveis. Muitas empresas enfrentam dilemas financeiros ao tentar equilibrar os benefícios a longo prazo das práticas sustentáveis com as pressões financeiras imediatas. Essa tensão entre lucro e sustentabilidade continua a ser um ponto de atrito na adoção generalizada de estratégias ESG.

O capitalismo consciente

É aqui que entra também a mudança em direção a um sistema econômico mais sustentável: o capitalismo consciente. Em suma, a ideia por trás deste conceito é que os negócios sejam desenvolvidos para criar valor e bem-estar para todos os stakeholders de uma companhia e também para o planeta.

Esse valor, por sua vez, pode ser oferecido em diversas formas: cultural, ecológica, intelectual, emocional, ética, financeira, social, física e até espiritual.

É importante ressaltar que organizações conscientes não estão focadas apenas no lucro, mas definitivamente não o deixam de lado. No modelo proposto pelo capitalismo consciente, esse retorno financeiro se torna uma consequência do valor gerado à sociedade e ao meio ambiente, beneficiando todas as partes envolvidas no negócio.

Companhias adeptas do capitalismo consciente normalmente têm uma relação próxima e certa experiência com investimentos em iniciativas ESG, sendo o combate às mudanças climáticas um exemplo. Desta maneira, esse fenômeno acaba por influenciar a decisão de investidores conscientes. Empresas com práticas sustentáveis e resilientes às mudanças climáticas estão se tornando cada vez mais atraentes para os investidores, uma vez que demonstram uma compreensão eficaz dos riscos ambientais.

A crescente conscientização sobre os impactos financeiros das mudanças climáticas levou a uma maior demanda por fundos ESG e investimentos socialmente responsáveis. Essa tendência sugere que o mercado está respondendo às preocupações ambientais, posicionando os investimentos ESG como uma ferramenta-chave para impulsionar a transição para uma economia mais sustentável.

Dessa forma, os investidores estão cada vez mais atentos aos riscos climáticos em suas análises de portfólio. Essa avaliação tornou-se uma parte integral do seu processo de tomada de decisão, em que são considerados fatores como: exposição ao carbono, resiliência climática e políticas ambientais da empresa.

Nossa missão é gerar valor com consciência

A transparência nas divulgações relacionadas ao ESG tornou-se uma demanda crescente. A capacidade de uma organização de comunicar claramente suas práticas ambientais e de gestão de riscos climáticos tornou-se um fator determinante na atração de investimentos.

Notícias recentes sobre o fenômeno das mudanças climáticas também desempenham um papel crucial ao influenciar a percepção das empresas e investidores sobre a importância das práticas de ESG. Eventos extremos, relatórios científicos alarmantes e a pressão crescente da opinião pública podem servir como catalisadores para a ação corporativa.

Organizações que são destaque negativamente nas notícias devido a práticas ambientais insustentáveis podem enfrentar repercussões significativas, desde perdas financeiras até danos à reputação. Essa pressão externa pode ser um fator-chave para ‘convencer’ as empresas a repensarem e reforçarem suas estratégias de ESG, reconhecendo a importância de abordar as mudanças climáticas em um contexto global.

A conscientização global está moldando as decisões corporativas e financeiras em direção a um futuro mais sustentável. A 3Capital age como mediador nessas mudanças de paradigma e práticas empresariais e nas decisões de investimento, que inclusive estão se mostrando lucrativas. Podemos entender o ESG como o precursor dessa tendência, rumo ao desenvolvimento sustentável no mundo corporativo. Conte com nosso time de especialistas para trilhar esse caminho!

Conteúdo exclusivo



Veja outras notícias